ESQUECEU SUA SENHA?

CRIAR CONTA

A Salli nasceu na Finlândia na década de 1990, desenvolvida em parceria pelo empresário e amante de hipismo Veli-Jussi Jalkanen e Seppo Mahlamäki especialista em fisioterapia e reabilitação. O empresário percebeu que sentia muitas dores nas costas enquanto estava no escritório, em contrapartida, notou que essas dores desapareciam durante os períodos em que se encontrava montado em seus cavalos. Pensando nisso, os dois se uniram para desenvolver um assento que oferecesse o suporte e a postura que ele mantinha enquanto praticava o esporte, já que assento garantia uma melhora imediata da postura de quem o utilizasse.

O trabalho e pesquisas da Salli, nos levaram a compreender que a posição em que nos sentamos afeta diretamente o nosso bem-estar, por isso o conceito do assento Salli não trás simplesmente uma melhora de postura, também trás benefícios comprovados ao nosso metabolismo, circulação e nossa saúde. O conceito é realmente baseado na ciência e na medicina, e abrange todos os conhecimentos relevantes da fisiologia e resultados do assento, nos ajudando a nos manter saudáveis enquanto trabalhamos diariamente.

Benefícios

Ao buscar a Salli as pessoas normalmente as queixas envolvidas são em relação a dores nas costas, mas você sabia que existem muitos outros benefícios? Dá só uma olhada:

Dores nas costas são a causa mais comum de licenças médicas no mundo, as causas são bem variáveis mas nosso estilo de vida está diretamente relacionado a isso, e o sedentarismo é um dos principais fatores contribuintes para isso. Na posição das cadeiras convencionais em 90º graus, as vértebras e os discos são posicionados incorretamente, eles são pressionados na frente, e os músculos ligamentos das costas são prejudicados. Esse posicionamento também resulta na pressão dos vasos que por consequência causa má circulação, que pode levar aos mais diversos problemas de saúde graves.

Já na Salli você tem uma maneira descomplicada de ficar em pé com o conforto de estar sentado em 135º, isso faz com que a pelve fique em sua posição correta e de forma neutra, e a coluna vertebral sustenta apenas a parte superior do corpo, os músculos ficam relaxados e você está em equilíbrio. E mesmo com os pequenos movimentos que você faz no dia a dia, como girar ou estender a mão, ativam e fortalecem os músculos das costas, o que é benéfico para inúmeros fatores na sua saúde, até mesmo para a sua mente. Você não obstrui a sua circulação, o que ajuda desde a sua respiração até a oxigenação do cérebro, mantendo sua energia mais alta, resultando também na concentração, criatividade e melhor capacidade de tomar decisões.

Além disso seu exclusivo assento bipartido, não abafa e nem prejudica o assoalho pélvico e a área genital, auxiliando na produção de testosterona nos homens, e reduzindo o risco de doenças íntimas nas mulheres. São cuidados que não tem preço, e que podem proporcionar longevidade para que você aproveite os momentos da sua vida de forma mais ativa e saudável.

Existem inúmeros estudos que comprovam a efetividade da Salli, entre eles a tese da educadora física Giovana Renata Gouvêa que comprovou estatisticamente em dezembro de 2017 o impacto benéfico da Salli na prática odontológica, quando comparado ao assento convencional em algumas das variáveis estudadas:

O tempo de acompanhamento durou 10 meses, o objetivo foi comprovar que o assento tipo sela oferece menos riscos à saúde do que os assentos convencionais. Em sua conclusão, o impacto do assento sela quando comparado ao tradicional, foi significativamente mais positivo quanto a ergonomia, a projeção do centro de gravidade lateral, os problemas diários relacionados à região cervical e a satisfação dos usuários. A Salli também foi melhor avaliada, em relação à satisfação ao sentar-se em todos os aspectos.

A tese pode ser visualizada na íntegra aqui.

Outro estudo relevante foi realizado na Universidade do Porto em Portugal no ano de 2016. O estudo tinha como objetivo fornecer informações sobre postura corporal do cirurgião-dentista em uma cadeira convencional versus uma cadeira tipo sela durante a realização de procedimentos odontológicos, as informações foram obtidas através de sensores de movimento inercial.

O método: Vinte e quatro dentistas realizaram uma cavidade de Classe I nos primeiros molares superiores direito e esquerdo e primeiros molares inferiores direito e esquerdo. Dezenove dentistas trabalharam em uma cadeira convencional (KaVo, Alemanha / Grupo I) e cinco em uma cadeira de selim (Salli, Finlândia / Grupo II). As medidas cinemáticas de todo o corpo foram registradas usando Xsens® MVN BIOMECH.

A conclusão do estudo sugere que o assento em formato sela melhora a postura de trabalho em relação à rotação da pelve, elevação do braço e flexão do tronco.

Você pode ler todo o estudo aqui.

Por fim, o estudo realizado no Woodend Hospital, Aberdeen, Escócia, e liderado por Waseem Amir Bashir, MBChB, do University of Alberta Hospital, Canadá. Apresenta comprovações de como o ângulo de 90º graus entre as coxas e o corpo é ruim para as costas já que a posição “tradicional” tenciona muito a região lombar, causando dores e outros sintomas, enquanto a posição 135º graus (coxa-corpo) é uma posição natural e de menor esforço para a nossa coluna.

Os discos se movem quando o peso apoiado na coluna os força a projetar-se de seus lugares. A pesquisa mostrou que os discos se moviam com mais clareza quando as pessoas do teste estavam sentadas em um ângulo de 90º graus, já ângulo de 135º graus, os discos se moveram menos já que nessa posição, a tensão e a pressão nos discos e nos músculos ao redor eram mínimas. Na posição "desleixada'', os discos foram mais pressionados e a maior parte da tensão estava nas duas vértebras inferiores.

Os pesquisadores concluíram que a melhor posição sentada é aquela em que as costas estão inclinadas para trás e o ângulo coxa-corpo é de 135º graus, já que nesse ângulo existe a menor quantidade de pressão prejudicial nos discos.

- Sentar em uma posição anatomicamente correta é importante, pois com o tempo a pressão na coluna e seus ligamentos pode resultar em dores, distorção da coluna e doenças crônicas, afirma o líder da pesquisa, Waseem Amir Bashir.

TOP